ST Corretora

Artigos

Prepare-se para a retomada do crescimento em 2018

16-02-2018


Por Carlos Caixeta

A recuperação sustentada da economia brasileira, a partir de 2018, é praticamente certa de acordo com as principais consultorias, bancos de investimentos, institutos de estatística e escolas de negócios nacionais e internacionais: Banco Mundial, FMI (Fundo Monetário Internacional), bancos de investimento e de varejo, relatório Focus do Banco Central, OCDE (Organização para a Cooperação e Desenvolvimento Econômico) e outros. Após 2 anos de quedas sucessivas do PIB em 2015 e 2016 – pior resultado dos últimos 100 anos –, o crescimento econômico entre 0,7% e 1% em 2017, com previsão de alta entre 2,5% e 2,9% em 2018, evidencia o início do ciclo da retomada econômica brasileira.

Não se trata de “ideologia” mas sim de estatística e conhecimento da realidade empírica dos ciclos econômicos. Ao longo de 115 anos de medições do PIB nacional, após as grandes quedas ocorridas o país se recuperou no segundo ou terceiro ano subsequente. Felizmente, a dinâmica econômica tem suas engrenagens próprias e o grau de correlação com a política e poder judiciário são importantes, mas não preponderantes.

Nesse cenário, as empresas precisam desenvolver uma estratégia clara para definirem os resultados prioritários, seus indicadores e metas no curto, médio e longo prazos. Devem aproveitar suas forças competitivas, trabalhar as deficiências e fraquezas, identificar as oportunidades externas e preparar para as potenciais ameaças. Essa iniciativa possibilita um aprendizado seletivo sobre o passado, a boa gestão do presente e a projeção do futuro, implementando-se as ações e projetos que irão construí-lo. Reitero os pilares gerais para 2018: austeridade, efetividade operacional, foco no mercado e busca da lucratividade.

Complementarmente, as organizações devem estreitar os laços de confiança com todos os públicos (stakeholders) relacionados ao desempenho dos seus negócios, identificar onde podem ser mais eficientes e fazer um bom gerenciamento dos custos e processos, aumentando a produtividade e a lucratividade. Para cada área que compõe a organização, é preciso diagnosticar os problemas e diferenciais, as vantagens competitivas e áreas de oportunidade de melhoria na cadeia de valor, incluindo os ativos tangíveis e intangíveis.

A gestão deve ser profissional, meritocrática, medir o desempenho geral e individual com indicadores e metas claras, reconhecendo e bonificando os melhores, desenvolvendo equipes e líderes que possam consolidar uma cultura baseada em resultados e apoio mútuo. A área de gestão de pessoas e comunicação interna precisam atuar de forma alinhada e coordenada, implementando workshops e treinamentos constantes para fortalecer essa cultura profissional. “Primeiro quem, depois o restante”, esse é o principal pilar segundo líderes empresarias como Jack Welch, Jeffrey Immelt, Fábio Barbosa, Bill Gates e o trio fundador da Ambev: Jorge Paulo Lemann, Beto Sicupira e Marcel Telles.

Ainda nesse contexto, a percepção positiva em torno da marca é importantíssima, bem como a confiança vinda da forte reputação construída no dia a dia com os clientes e demais stakeholders, tendo os funcionários como os responsáveis diretos pela entrega do valor prometido. Agir com coerência e consistência, alinhando a prática ao discurso corporativo, constroi e mantem uma reputação forte ao longo do tempo, atraindo talentos, clientes, investidores, credores, fornecedores, admiradores, apoio da mídia etc.

Para analisar e gerenciar os resultados, um diagnóstico estratégico competitivo (DEC) recomenda oito dimensões: criar e manter uma proposição de valor importante; explorar um mercado em alto crescimento; ter clientes rentáveis como principal fonte de receitas; potencializar alianças com grandes marcas e empresas; conseguir retornos exponenciais; ter excelência em liderança interna e externa; ter diretoria e líderes especialistas em valores essenciais; investir em infraestrutura.

Em meus estudos como professor, experiências como executivo e consultor para mais de 150 organizações, aprendi que aquelas que se pautam pelo profissionalismo (decisões baseadas em fatos, dados e evidências), forte liderança, austeridade financeira, lucidez e humildade, clareza estratégica, disciplina na execução e meritocracia se destacam em seus respectivos setores. A crise nos ensinou a fragilidade geral diante de um cenário de queda na confiança e incertezas sobre o futuro, bem como o alto risco de se ignorar esses itens da excelência em gestão e desempenho.

Em épocas de grande ansiedade, centenas de startups surgindo por semana, promessas de ganhos rápidos, euforia tecnológica e dinamismo das redes sociais, nunca é demais lembrar que “genialidade” sem boa gestão dificilmente traz bons resultados.

Existem aqueles que observam passivamente, os que simplesmente analisam e os que decidem fazer acontecer. Qual será a sua escolha? Lembre-se que o tempo não volta e que as grandes oportunidade geralmente aparecem pouquíssimas vezes.

———–

Carlos Caixeta (carloscaixeta.com.br) é consultor, escritor, palestrante e professor de gestão estratégica, liderança, reputação e vendas nas melhores escolas de negócios do país. Autor de vários artigos e dos livros “DOBRE SEUS RESULTADOS: implemente estratégia, alto desempenho, liderança e decisão profissional” e “DOBRE SUAS RECEITAS: dicas poderosas de marketing, vendas, estratégia e persuasão”.

Presente especial para o associado Sindloc: desconto de 30% na compra dos livros pelo site de Editora.  CÓDIGO DO CUPOM DESCONTO:  sucesso

Livro “DOBRE SEUS RESULTADOS: implemente estratégia, alto desempenho, liderança e decisão profissional”: http://bit.ly/2yk4E5Q

Livro “DOBRE SUAS RECEITAS: dicas poderosas de marketing, vendas, estratégia e persuasão”:  http://bit.ly/2zmuo1V