Patrocínio
Volkswagen

Home office, lá vamos nós!

29/5/20

O coronavírus mudará o mundo. Quando tudo isso passar, a sociedade terá descoberto ou repensado os modelos de trabalho, as formas de relação, as prioridades, os padrões de consumo. Será necessário revisar os acúmulos de riquezas e, sobretudo, os modos de compartilhamento de afetos. Muitas coisas serão permanentes e outras passageiras. Passamos a aprender que outras formas são possíveis, por exemplo, no trabalho. Alguns setores produtivos já adotavam, há algum tempo, modelos como do home office. É o caso, por exemplo, das empresas de tecnologia e startups. As locadoras andam a descobri-lo.

“Assim que a OMS [Organização Mundial da Saúde] classificou como pandemia o novo coronavírus, passamos ao ‘sinal amarelo’. Em pouco tempo, nossa área comercial já funcionava em home office. Sinto que perdemos na possibilidade do atendimento mais humano e próximo que o “latino” gosta e que o “mineiro” adotou. Porém, ganhamos em escala de atendimento e, principalmente, nesse momento, em proteção ao indivíduo, seja do colaborador, seja do cliente ou fornecedor”, detalha André Alvim, Sócio-Proprietário da Conexão Aluguel de Carros.

André, que também é Conselheiro Fiscal do SINDLOC-MG, lembra que o desafio é também de liderança. “Administrar uma equipe à distância requer planejamento e metas bem definidas de produção e/ou produtividade. Exige uma comunicação mais eficaz. É um desafio e tanto”, afirma.

Ele também concorda que a pandemia será um combustível para muitas transformações. “Para que a mudança seja significativa, impactantemente positiva, será necessária muita capacitação das equipes, o que é um ponto fraco no Brasil. Nos países mais desenvolvidos economicamente, essa mudança já começou, e com a COVID-19, provavelmente sofrerá forte evolução”, avalia.

Segundo Júlia Ramalho, psicóloga, coach e mestre em administração, a crise pode ser uma oportunidade para se descobrir novas formas de relação entre empresário e colaborador. “Se o home office é algo novo para a empresa, reforce que vocês vão aprender juntos. O importante é criar um ambiente seguro onde as pessoas não se sintam mais pressionadas e cobradas, mas apoiadas a implantarem as mudanças”, sugere Júlia que é também Diretora do Estação do Saber.

Outra dica importante é sugerir que seu colaborador tenha, se possível, um espaço reservado na casa para ser o lugar do trabalho, evitando interrupções. “É preciso que os funcionários se sintam trabalhando e mantenham seu ritmo e concentração. Fundamental estabelecer a rotina como se estivesse na empresa. Horário para começar, pausas, almoço e horário para terminar”, afirma Júlia.

Atenção: nada de trabalhar de pijama. “É importante se vestir de maneira formal. Isso é um truque. Quando terminar as demandas, é preciso trocar de roupa e mudar de cômodo. Assim você diz ao seu cérebro que acabou o trabalho”.

Júlia lembra de outro desafio: as crianças. “Converse e combine como e quando irá interagir. Em vez do bate-papo do café com colegas de trabalho, a pausa pode ser com os filhos”.

Para ela, aos poucos, todos descobrem as receitas próprias de produtividade. O importante é aproveitar o momento de aprendizagem. “É um desafio para o setor de locação de automóveis, sem dúvida. Penso que a principal lição é: como podemos ser mais produtivos e, ao mesmo tempo, deixar nossos colaboradores atendidos na sua necessidade de flexibilidade de trabalho? Em várias pesquisas sobre motivação e engajamento esse tem sido um ponto importante para funcionários em todo o mundo. Quem sabe agora não encontramos uma oportunidade para testar isso?”, questiona Júlia.

“Em equipes maiores onde há diversos profissionais no mesmo setor, acredito que esse modelo poderá ser mais utilizado no pós-crise. No entanto, para a melhoria da produtividade esperada, é necessário muito amadurecimento profissional, seja do colaborador, seja do gestor ou da empresa. Enfim, temos muito o que aprender”, afirma André Alvim.

Por Leandro Lopes, da Revista SINDLOC-MG.

Para manter uma boa rotina em home office*

Estabeleça uma agenda: delimite a hora de começar, acabar, pausas e tarefas a serem feitas diariamente.

Mantenha um horário padrão, isso ajuda a regular o sono também.

Quando o trabalho fica solto, pessoas noturnas tendem a arrastar as demandas para madrugada e dormem muito tarde. O que parece um ganho de liberdade inicial pode impactar na sua saúde.

Utilize alarmes: programe um alarme para te alertar da pausa.

Faça chamadas com seu líder constantemente: mesmo que rápidas, tire dúvidas, fale das dificuldades e facilidades que está tendo com a transição.

Evite muitas telas abertas: você está trabalhando, não precisa deixar o WhatsApp, Facebook e Instagram. Se você não atua em Marketing Digital, deixe para acessá-las apenas nos seus intervalos ou ao fim do dia.

Respeite as pausas (faça-os com qualidade): poder parar para almoçar em casa, comer uma comida de qualidade, além de relaxar depois do almoço, é uma ótima pedida para sua saúde. Aproveite este momento.

*Por Júlia Ramalho
Diretora Estação do Saber
Psicóloga, Coach, Mestre em Administração
julia@estacaodosaber.com / (31) 25517663