Patrocínio
Volkswagen
Consultar o CPF/CNPJ dos seus clientes ficou mais fácil e mais barato

Itabira: o mundo grande de Drummond

30/8/19

Em um dos seus poemas, Carlos Drummond de Andrade escreve “Meu coração não é maior que o mundo. É muito menor. O mundo é grande”. Sabemos: o mundo é grande. Porém, embora imenso, o mundo também é de um lugar de onde a gente é. Drummond provou ser de Itabira em muitos dos seus versos e saudades. Sobre o seu lugar, escreveu e descreveu ao longo da vida. E, sendo mineiro, não é possível conhecer Minas Gerais, sem o conhecê-lo. E, para isso, é preciso conhecer Itabira.

Recentemente a Secretaria de Turismo de Minas Gerais instituiu o “Caminho Drummondiano”, um circuito por onde é possível conhecer melhor o poeta, mas também as belezas naturais e a história do seu lugar. Itabira, para além de Drummond, teve sua história marcada pela Companhia Vale do Rio Doce. Desde o século XIX, ela e outras mineradoras chegaram por lá. O lugar também é feito de festas religiosas, como o Divino Espírito Santo e da Nossa Senhora do Rosário (Irmandade Negra), mas também é feito de cachoeiras, parques e uma paisagem arrepiante.

Literatura

Atualmente, existem mais de 40 pontos espalhados pela cidade de Itabira onde é possível conhecer a vida e a obra de Carlos Drummond de Andrade. Lugares como a casa onde o poeta morou, o Memorial projetado pelo arquiteto e amigo Oscar Niemeyer e o Centro Cultural Fazenda do Pontal, onde viveu parte de sua infância. Além disso, é possível conhecer o projeto “Grupo dos Drummonzinhos”, um grupo de crianças e adolescentes que recitam, de forma teatral, poemas do poeta. Uma vez em Itabira, vale a pena conhecer a Biblioteca da Fundação Cultural, um prédio público com mais de 23 mil títulos e mais de 33 mil exemplares.

Para além do Drummond, Itabira respira ar livre e muita cachoeira. Conheça outras atrações do lugar!

Centro Histórico

Formado por lindos casarões e sobrados do século XVIII e XIX, o centro histórico da cidade oferece lugares como o Conjunto Arquitetônico do Paredão; rua Tiradentes; Praça do Centenário; Museu de Itabira, que relembra a história da mineração no município; Museu de Arte Sacra; e, principalmente, Igreja do Rosário, maior expressão artística e histórica de Itabira.

Morro Redondo

(Foto: Roneijober Andrade)

Mirante natural, onde se encontra uma Igrejinha e de onde é possível visualizar várias cidades e comunidades do entorno de Ipoema. Ver o nascer e o pôr do sol lá de cima é imperdível.

Serra dos Doze – Rampa de Voo Livre

Mirante com aproximadamente 800 metros de altitude que proporciona bela visão da Reserva Biológica da Mata do Bispo e Parque Natural Municipal Ribeirão São José, além de parte da cidade de Itabira. Nesse mirante está situada a rampa de voo livre, uma das melhores localidades para o esporte em Minas Gerais, possibilitando aos atletas ótimas condições de voo e pouso.

Cascata do Limoeiro

Fica a 50 minutos de caminha da Sede do Parque Estadual da Mata do Limoeiro.

Cachoeira do Morro Redondo

Cachoeira com águas cristalinas com aproximadamente 200 metros, sendo dividida em várias quedas. Em propriedade particular, o seu acesso se dá por uma pequena trilha cercada por mata nativa.

Cachoeira do Patrocínio

Queda d’água de aproximadamente 30 metros de altura, com um poço raso e um visual deslumbrante. Possui hospedagem e restaurante no local.

Cachoeira do Bongue

Localizada em uma região de Mata Atlântica, possui vários saltos, totalizando 50 metros de altura. Suas águas descem entre pedras, formando corredeiras e piscinas naturais.

Cachoeira dos Cristais

Conjunto de duas quedas d’água cercadas de mata que formam grandes poços apropriados para banho. Chega-se ao local por trilha.

Como chegar

Para chegar de Belo Horizonte, basta seguir na BR-381, sentido Espírito Santo. No trevo da rodovia MG-434, entrar à esquerda e seguir pela MG-129 até chegar à cidade. São 125 quilômetros até o destino.

Da Revista SINDLOC-MG.