Patrocínio

“Precisamos cuidar das pessoas”

27/3/20

Ele é um dos empresários do segmento mais bem-sucedidos do Brasil. Iniciou sua locadora em 1993, com 16 veículos. Atualmente, 26 anos depois, tem uma das maiores frotas do país, com mais de 140 mil automóveis. São 210 lojas físicas espalhadas pelo território nacional. Uma cartela de clientes que ultrapassa, só no rent a car, os 3 milhões e o número de acionistas já se aproxima dos 6 mil. Não por acaso, está posicionada entre as mil maiores empresas do Brasil, segundo o Guia Valor Econômico.

Apesar de todos os números impressionantes, Luis Fernando Porto, CEO da Unidas, faz questão de destacar as premiações mais simbólicas, aquelas que revelam que, para além dos lucros e dos índices de sucesso, existe também, na rotina da sua empresa, uma preocupação com o bem-estar dos clientes e dos seus quase três mil colaboradores. A Unidas é uma empresa premiada inúmeras vezes em experiência e excelência em atendimento, além de possuir a 12ª posição no Great Place to Work América Latina.

Para empresários assim, é natural que uma pergunta seja primordial: afinal, qual o segredo do sucesso? Com vocês, o nosso entrevistado Luis Fernando Porto.

Luis Fernando Porto – Para essa pergunta, preciso separar a resposta em três. Primeiro, eu acredito que precisamos cuidar das pessoas. A soma da vontade dos colaboradores de uma companhia de negócios faz toda a diferença. Depois disso, com as pessoas engajadas e felizes, elas sem dúvida nenhuma irão cuidar bem dos clientes. Ou seja, o segundo passo fundamental é: pensem muito e cuidem muitos dos seus clientes. E, por último: coragem, resistência e resiliência porque toda trajetória é feita de pedras no caminho. Enfim, não desista jamais.

Revista SINDLOC-MG – Em sua apresentação no SINDLOC-MG, durante o evento “Grandes Empresários: Histórias de Sucesso”, você falou muito em tendências. Qual a importância disso para os empresários do segmento.
Luis Fernando Porto – Atuamos em um mercado muito dinâmico e por isso é preciso estar sempre atento e forte. Não basta conhecer o mercado de hoje, é preciso entendê-lo amanhã. Por isso, conhecer de tendência é essencial para se manter vivo e saudável.

Revista SINDLOC-MG – Quais seriam elas agora, por exemplo.
Luis Fernando Porto – Podemos falar de assinatura. O Brasil é uma grande oportunidade para a substituição da posse pela assinatura. Existem no país 5 milhões de automóveis em frota corporativa e apenas 430 mil é terceirizada. Aqui, mais de 50 milhões de brasileiros possuem cartão de crédito, que é um quesito fundamental para o aluguel, mas apenas 11 milhões utilizam ou já utilizaram o serviço. Outro dado: 35 milhões de brasileiros possuem automóveis, mas o número de carros por assinatura não passa dos 6 mil. Eu não tenho dúvida que vamos crescer muito nesse nicho de mercado.

Revista SINDLOC-MG – O mercado de carros por aplicativos também já é uma realidade.
Luis Fernando Porto – Sim. Estima-se que a frota só da Uber no Brasil é de 350 mil automóveis. Desses, apenas 50 mil são alugados. O nosso país é o segundo maior mercado para a Uber no mundo. Para se ter uma ideia, São Paulo é a cidade que concentra o maior número de viagens do planeta. Isso estamos falando de apenas uma empresa.

Revista SINDLOC-MG – Mesmo em tempo econômicos difíceis é possível pensar em crescimento?
Luis Fernando Porto – Eu diria que a gente acabou de atravessar a pior recessão econômica da história do Brasil, entre 2014 e 2016. Ainda assim, os três maiores players de mercado cresceram significativamente. Isso demonstra uma alta resistência do setor. Enquanto o PIB subiu 1,1% comparando 2017 e 2018, o mercado cresceu 12,8%. Nós, Unidas, crescemos 33%. A utilização do automóvel, no lugar da posse, vai conquistar cada vez mais lugar na vida das pessoas.

Revista SINDLOC-MG – Qual o papel do SINDLOC-MG nesse contexto?
Luis Fernando Porto – Basta ao SINDLOC-MG continuar fazendo o que já faz de uma maneira brilhante: possibilitando informação qualificada, promovendo capacitação e profissionalizando o setor. Muitas pequenas empresas podem e devem crescer com essas tendências, mas para isso, é preciso que os empresários compreendam a importância de se capacitar e se unir por um segmento mais fortalecido e competente.

Por Leandro Lopes, da Revista SINDLOC-MG.