ST Corretora

Notícias

A renovação da águia

18-04-2019

A ciência diz que a águia, entre todas as aves, é a que possui a maior longevidade, chegando algumas espécies a viver até 70 anos.

Mas não são todas águias que alcançam essa idade. Ao redor dos 40 anos, devido ao seu processo natural de vida e de desgaste pelo tempo, a águia encontra-se na seguinte condição:

Suas unhas estão compridas e flexíveis, não mais permitindo-a agarrar e prender as presas das quais se alimenta; seu bico está alongado, pontiagudo e mais encurvado para baixo, dificultando assim sua função original de rasgar e cortar os alimentos; suas asas estão curvadas e apontando contra o peito, envelhecidas e pesadas em função da grossura das penas, dificultando assim o desempenho de seus vôos majestosos em busca de alimento.

Nestas condições, voar e continuar vivendo torna-se-lhe um processo muito difícil!

Então, respondendo ao instinto da vida, a sábia natureza incute-lhe uma questão que (instintivamente) obriga-lhe a uma séria e difícil decisão, propondo-lhe duas alternativas:

1 – Aceitar esta condição como irreversível e entregar-se ao processo lento e destruidor da morte, ou

2 – Enfrentar um dolorido processo de renovação, o qual irá durar aproximadamente 150 dias.

Esse processo consiste em se aventurar em uma última caçada e, após obter sucesso, voar com a caça para um antigo ninho, no alto de uma montanha, próximo a um paredão, onde ela se recolherá e terá o abrigo e o alimento necessário para manter-se viva durante o processo pelo qual irá passar.

Após acomodar-se neste antigo ninho e estar bem alimentada, a águia começa a bater com o bico em uma das paredes próximas ao ninho, até conseguir arrancá-lo.

Após arrancá-lo, ela espera pacientemente o nascimento do novo bico, e com a força deste novo bico começa a arrancar suas velhas unhas, compridas e encurvadas pelo tempo.

Espera novamente com paciência e, quando as novas unhas começam a nascer, movida por um desejo instintivo, passa a arrancar, uma a uma, as velhas penas das asas e a partir daí aguarda, com uma paciência e confiança que nos é incompreensível, o processo renovador da natureza.

Todo este processo leva aproximadamente cinco meses e, quando a natureza completa o seu trabalho, a águia que optou por esta alternativa, aceitando este tremendo desafio, ganha o seu prêmio: sai para o famoso voo da renovação e para uma nova vida de mais 30 anos.

O que podemos extrair deste fato natural?

Em nossa vida, são muitos os momentos em que encontramo-nos diante de grandes problemas de difícil solução e, diante deles, a nossa natureza sempre nos propõe duas opções:

1 – Aceitar passivamente o processo desgastante e destruidor do problema em si, com todas suas consequências intrínsecas, e morrer lentamente.

2 – Encarar o desafio de enfrentar o problema com audácia e coragem, confiando que a sábia natureza fará a sua parte, dispondo-nos de tudo o que lhe for possível, mas exigindo que também façamos a nossa parte.

Para sobreviver aos problemas e encontrar a solução que buscamos, devemos reconhecer e renovar tudo aquilo que já está velho, inútil e sem utilidade; coisas, hábitos, conceitos e ideias que podem ter-nos sido úteis no passado, mas que agora impedem-nos de seguir adiante.

Se acreditarmos na providência divina e persistirmos em fazer a nossa parte, conquistaremos a nossa vitória e o nosso prêmio!

Autor: desconhecido.